top of page

+publicidade+

Conversas Maternas - Eduardo Duarte

Primeira Infância, porque investir


Saiba porque essa fase, que vai dos 0 aos 6 anos de idade, é tão importante para o desenvolvimento infantil e a construção do ser.


Primeira Infância é o período da vida que vai da gestação até os seis anos de idade. É nessa fase que se formam 90% das conexões cerebrais. Mais da metade dessa janela de oportunidade ocorre nesse período. O estresse, a falta de nutrição adequada, deslocação social, baixa atenção, nesses primeiros anos de vida tornam a criança insegura, desconfiada, com baixa autoestima, prejudicando sua aprendizagem e a criação de comportamentos saudáveis.


PRIMEIRÍSSIMA INFÂNCIA

Durante toda a Primeira Infância, o desenvolvimento é muito acelerado, mas há diferenças significativas entre as duas fases. Os três primeiros anos de vida (incluindo a vida intrauterina) são determinantes para o desenvolvimento emocional e cognitivo de uma pessoa.


De acordo com estudos da neurociência, o cérebro das crianças passa por uma intensa fase de amadurecimento entre a gestação e os 2 anos, o que determina uma grande capacidade de absorção do ambiente. No período posterior, que vai dos 4 aos 6 anos, por outro lado, a criança possui maior autonomia. Isso quer dizer que, além de conseguir se expressar, ela consegue desenvolver diversas atividades sozinha, como brincadeiras relacionadas às práticas esportivas.


Nessa fase, a cognição (ou seja, a busca de conhecimento sobre o mundo) já é mais complexa. Por exemplo, a partir dos 5 anos, a criança já pode ser estimulada a seguir rotinas.

A BASE DE TUDO


PRIMEIRA INFÂNCIA, POR QUE INVESTIR? - Pai e filho abraçando

É como se esses primeiros anos de vida da criança representassem o alicerce onde será construído um edifício complexo. Quanto mais forte e bem fundamentado, mais peso e altura ele aguentará.


Esse edifício é o mundo onde o adulto viverá. Por isso é tão importante investir na qualidade dos vínculos que a criança vai estabelecer com familiares, cuidadores, educadores e ambientes. Todas as atividades na infância devem ser pensadas de uma forma global, envolvendo diferentes áreas, como a saúde, a Educação, a assistência social, a cultura, entre outros.


POR QUE INVESTIR NA INFÂNCIA?

As habilidades cognitivas desenvolvidas nesse período proporcionam estímulos cerebrais que ocasionam o amadurecimento das funções mentais e a capacidade adaptativa.


O que foi vivido, experimentado e aprendido nessa primeira fase da vida do ser humano, se reflete pela vida toda. Na educação, por exemplo, se desenvolve habilidades como a criatividade e o seu exercício; a atenção; as competência socioemocionais; a memória; a percepção auditiva; o foco; responsabilidade social. Por isso, esse olhar global é tão importante quando falamos em desenvolvimento.


Pela visão econômica, a educação é como um investimento eficaz para o desenvolvimento da força do trabalho. Na jurídica, o enfoque está em mudar o cenário de violência. Para a social: humanidade, sobrevivência, saúde que levam a um sucesso escolar. Viu, como esse é um assunto de extrema importância?


Acompanhe as nossas publicações para saber como você pode ajudar a sua criança a se desenvolver melhor nessa fase crucial da vida.



*Geovanna Tominaga é jornalista, educadora parental, especialista em Neurociência, Educação e DesenvolvimentoInfantil. Estudante de Psicologia e Psicopedagogia mãe de primeira viagem do Gabriel.


Posts recentes

Ver tudo

Comments


Conversas Maternas
  • Twitter
  • Grey Instagram Ícone
  • Cinza ícone do YouTube
  • LinkedIn
Grupo de mães

Deixe seu email pra receber mais dicas!

Seja bem-vindo!

Grupo de mães
bottom of page