top of page

+publicidade+

Conversas Maternas - Eduardo Duarte

Pandemia e Ansiedade infantil


Pandemia e Ansiedade infantil- criança deitada

Vamos falar sobre o impacto da Pandemia na Ansiedade Infantil? Você sentiu que sua ansiedade aumentou durante a pandemia de Covid-19? Se sim, saiba que não está sozinha.


O número de pessoas com sintomas de ansiedade no Brasil praticamente dobrou durante o período de quarentena e continua crescendo.


Se a pandemia é um desafio diário para nós adultos, imagina ser criança nesses tempos? Essa reflexão é importante pois estamos diante de uma epidemia de crianças e adolescentes abrindo quadros psiquiátricos ansiosos que podem ter desfechos negativos durante suas vidas, se não tratados adequadamente.


A ansiedade é considerada uma resposta habitual do ser humano ao meio e à situações que vivencia. Do ponto de vista biológico, a ansiedade tem função adaptativa e de perpetuação da espécie, pois prepara o indivíduo para situações novas, desafiadoras e de perigo. Ou seja, a ansiedade ajuda o indivíduo a providenciar o que é necessário para evitar o perigo ou a ameaça, ou pelo menos reduzir suas consequências, aumentando as chances de um bom desempenho. E é esse mecanismo que está ativado no Covid: a sobrevivência da espécie.


Resultado da Pandemia


Pandemia e Ansiedade infantil - mulher sentada na janela

Mas, então, por que estamos adoecendo? Porque o estímulo cerebral ("ameaça") foi intenso e por tempo prolongado, o que acarretou em uma resposta cerebral exacerbada e com repercussão negativa na saúde física e mental.


O cérebro humano trabalha com previsibilidade. A verdade é que nós não possuímos controle sobre diversas coisas do mundo, mas é importante termos a sensação que algo está nas nossas mãos. O Covid nos tirou do conforto do controle fictício e nos colocou diante do penhasco da imprevisibilidade.


Pandemia e ansiedade

Outra situação vivenciada na pandemia foi o trauma. Muita gente adoeceu, passou dias no CTI, conhece alguém que agravou ou morreu. E isso pode deixar o circuito de alerta do cérebro ativado por muito tempo depois do trauma e promover um terreno cerebral fértil para os transtornos ansiosos.


E como ficam as crianças?

Para as crianças, a pandemia foi vivenciada através do comportamento dos pais. Elas assistiram diariamente pais apavorados, enlutados, falidos, estressados, tentando dividir um espaço do domicílio para trabalhar e sobreviver ao "fim do mundo". Ficaram trancadas em casa, com suas rotinas alteradas, pouco expostas à luz solar e muito expostas à telas.


Foram impedidas do convívio social e afetivo, afastadas de outras crianças, da brincadeira, da infância. Com tantos fatores estressores e ausência de fatores protetores, ficaram à mercê do medo real e do imaginário, e seus circuitos cerebrais imaturos responsáveis pela detecção, mensuração e resposta ao medo ficam hiperativados.


Aparecem então transtornos como a Ansiedade de Separação (onde o infante tem medo de se afastar de seus genitores), Transtorno de Ansiedade Generalizada (caracterizado por preocupações exageradas e que ocupam um tempo maior do que deveriam), Transtorno de Pânico (com sintomas físicos e sensação de morte eminente), Ansiedade Social e Mutismo Seletivo ( agravados pela deficiência de treinamento de habilidades sociais). Tudo isso ocorre em um momento de desenvolvimento cerebral intenso e pode deixar marcas para o resto da vida.

Precisamos cuidar dessa geração de crianças para mitigar os impactos da pandemia e garantir a formação de adultos saudáveis psiquicamente.


Natasha Ganem é médica Psiquiatra infantojuvenil e fundadora da Associação Brasileira de Mutismo Seletivo e Ansiedade Infantil (ABRAMUTE).


Posts recentes

Ver tudo
Conversas Maternas
  • Twitter
  • Grey Instagram Ícone
  • Cinza ícone do YouTube
  • LinkedIn
Grupo de mães

Deixe seu email pra receber mais dicas!

Seja bem-vindo!

Grupo de mães
bottom of page